Edições digitais bilíngues

img1

As edições bilíngues, geralmente, podem ser compostas de duas maneiras: por páginas intercaladas, cujo conteúdo se apresenta simultâneo [ conteúdo | content ], ou em seções separadas, nas quais todo o conteúdo flui linearmente numa língua e, ao fim, em outra. Certo? Certo! A segunda maneira não tem lá grandes mistérios quando passa do impresso … Ler mais

Projetos gráficos para e-books

Já resumi aqui (e aqui) um pouco sobre adaptações de projetos gráficos para livros digitais. Todavia, mesmo quando a adaptação se torna algo quase que completamente novo, ainda se trata (ao menos para mim) de manter traços da identidade do projeto original, elementos que o tornem reconhecível, por assim dizer. Agora, e quando não existe … Ler mais

O ePub3 que o PNLD quer

Minha primeira experiência autêntica com livros acessíveis aconteceu no início de 2012. Já tinha estudado sobre o assunto e até mesmo produzido livros que achava serem acessíveis, mas a compreensão pessoal me veio quando um amigo meu pediu que eu apresentasse os livros digitais para um estudante com problemas de visão. No mesmo instante pensei … Ler mais

O digital além do livro

Para mim, faz cada vez mais sentido pensarmos em conteúdo e não em plataforma. Pensar em plataforma é limitar, reduzir, bloquear; pensar em conteúdo é abrir um horizonte de possibilidades. Sejam elas de jornada do usuário, monetização ou distribuição. Resolvi escrever um texto sobre transmídia, porque acredito que seja um caminho extremamente relevante para, no … Ler mais

Perfis de usuários e escolhas de padrões

Uma pergunta que muito frequentemente me fazem quando começam a se interessar por livros digitais é: qual e-reader você me recomenda? O que as pessoas costumam achar curioso é que eu não tenho uma resposta padrão, eu geralmente faço uma série de perguntas a respeito dos hábitos e preferências tecnológicas da pessoa, assim como da … Ler mais

Da elaboração de um e-book e do relacionamento com freelancers

Com alguma frequência falamos¹ da importância do diálogo entre os envolvidos na produção de um e-book e, pessoalmente, acredito que ainda tenhamos que bater nessa tecla por algum tempo. No geral, falamos da realidade dentro das editoras e da necessidade de fluidez desse diálogo entre os departamentos envolvidos. Hoje, todavia, vou falar de uma ponta … Ler mais

Os universos do projeto gráfico e da diagramação em tempos digitais

Nós, profissionais da área, enfrentamos uma mudança de paradigma no mercado editorial: é possível adaptar-se à chegada dos e-books, ou será preciso se reinventar, renascer das cinzas? A pergunta envolve muitos detalhes de eras totalmente diferentes. Na época em que só contávamos com os livros impressos, pensar o projeto e a diagramação era tarefa que … Ler mais