FlightDeck

Baixe como e-book

Algumas semanas atrás, o site ePubSecrets publicou um artigo sobre uma nova ferramenta (online) – ainda em versão beta -, criada em parceria com o eBook Architects, para auxiliar na validação e edição de metadados de livros digitais, o FlightDeck. A ferramenta, de qualquer forma, não se limita a isso.
Por exemplo, além do FAQ, existe a seção Handbook, onde se encontra um tanto de informações úteis e material de leitura sobre epub, além de alguns links de referência.

imagea

Dito isso, vejamos o que ele oferece como plataforma.
Clicando em Files (pressupondo que você já criou e ativou sua conta), o primeiro passo é fazer upload de um (ou mais) arquivo(s), o que pode ser feito via add files ou arrastando-o(s) para dentro da janela.
O tempo de processamento varia de acordo com tamanho, formato e complexidade do e-book, pero não demora mais que alguns minutos, geralmente.

image04

Vejamos os relatórios…

Stats*

Aqui podemos verificar informações gerais sobre o arquivo. Tais como:

    • Links externos
    • Fontes embutidas
    • Número de caracteres/palavras/imagens
      image00
    • Tamanho de arquivos (por tipo)
    • Linguagens
    • “Start Reading” location (pro caso de o arquivo já abrir, por exemplo, depois da capa, diretamente no texto).
    • Números de cabeçalhos divididos por nível
    • Índice

      image01

Metadata

Nessa parte, é possível editar e acrescentar dados básicos do arquivo. Um dos campos mais interessantes, na minha opinião, é busca por BISAC. Quem precisa buscar nas listas fragmentadas do BISG sabe do que estou falando…

image05

Obs.: Preencher os metadados no arquivo não te desobriga da necessidade de preenchê-los em cada loja (em suas planilhas e/ou plataformas).

Validation*

Nessa seção temos os resultados de validação. Além dos já conhecidos erros do epubcheck e do flightcrew (validador utilizado no Sigil), a validação do FlightDeck aponta possíveis “erros” comerciais, como o fato de algumas lojas não aceitarem arquivos com links que apontem para outras lojas.

image09

Best Practices*

Minha parte favorita. Neste relatório, serão apontados problemas que não chegam a ser erros, mas que valem ser conferidos.
Por exemplo: cor definida como black (#000) e em vez de “inherit”. Isso pode ocasionar a impossibilidade de leitura em modo noturno em certos aplicativos.
A maior parte do alertas gerados apontam para uma explicação no Handbook que mencionei no início do artigo.

image07

Retailer Grid

image08

Outro relatório para validação mais comercial do que técnica.

Pode-se observar eventuais problemas o arquivo terá em loja X ou Y (ainda não funciona para Amazon).

image06

image03

image02

Lembrando que, se você editou algo no metadata editor, vai precisar baixar novamente o arquivo atualizado**.

Concluindo, o FlighDeck é uma ferramenta que vem bem a calhar tanto para quem já trabalha com e-books quanto para quem está começando a estudar os formatos e as lojas. Uma pena não estar nos planos de desenvolvimento uma versão offline para ele; apesar das boas referências (ver FAQ), não me sinto muito à vontade enviando arquivos comerciais para “a nuvem” (de todo modo, eles podem ser deletados através da tela inicial).

Se você sentiu falta de alguma coisa ou encontrou um bug, envie um feedback para os desenvolvedores, e lembre-se: o acesso beta termina em agosto e, depois disso, o serviço será pago (ainda não foram divulgados detalhes sobre os tipos de planos).


* Os relatórios marcados com “*” podem ser baixados em PDF.
** Em alguns testes, o arquivo baixado não estava atualizado apesar de salvo.

escrito por Antonio Hermida

Antonio Hermida

Antonio Hermida cursou Análise de Sistemas (UNESA), Letras – Português-Latim (UFF) e Letras – Português-Literaturas (UFF). Começou a trabalhar com e-books em 2009, na editora Zahar e, em 2011, passou a atuar como Gerente de Produção para Livros Digitais na Simplíssimo Livros, onde também ministrava cursos (Produzindo E-Books com Software Livre) e prestava consultorias para criação de departamentos digitais em editoras e agências.
Coordenou o departamento de Mídias Digitais da editora Cosac Naify sendo também colunista do blog da editora.
Atualmente presta serviços e consultoria para diversas editoras.

Entre outras coisas, é entusiasta da cultura Open Source e tem Kurt Vonnegut como guru.

Deixe um comentário