Lendo no celular (pela primeira vez)

Baixe como e-book

celularimagem: http://goodereader.com/blog/e-book-news/top-5-tips-for-reading-on-your-smartphone

Se você trabalha com produção de livros digitais, um dos princípios básicos é a necessidade de testar os arquivos em diversas plataformas. Nenhum e-book está liberado para venda antes de passar por esse processo. Sabemos que o ambiente de leitura não é apenas um espaço neutro onde o e-book é aberto, mas um componente importante que influencia a leitura em si, daí a importância dessa etapa.

Naturalmente, após algum tempo de prática, já é possível antecipar como certos e-books se comportarão nas principais plataformas. Livros simples, só com texto, sem complexidades visuais, geralmente não têm mistérios. Assim, é possível adiantar a checagem para elementos mais específicos, como o funcionamento das fontes, por exemplo.

Em resumo: se você trabalha com produção de livros digitais há algum tempo, provavelmente tem uma ideia razoável de como os e-books ficarão em cada plataforma.

Mas em quais plataformas você consome e-books? Onde você os lê?

Até janeiro de 2016, eu me limitava a uma só plataforma. Lia apenas em e-readers. Já tive um Kobo Touch e atualmente utilizo o Kobo Glo. Também compro e-books através do aparelho. A tela com luz adaptada para a tecnologia e-Ink torna a leitura confortável e já estou bem familiarizado com o sistema operacional. Não se trata de uma predileção pelo Kobo em si, eu prefiro e-readers no geral. E, desde que comecei a ler e-books, é neles que realizo minhas leituras.

Até esse mês último de janeiro, quando, como experiência, decidi ler um e-book pelo celular. Eu já havia testado e-books em aplicativos mobile diversas vezes antes, de modo que tinha uma boa ideia do que encontraria. E, como não tenho tablet, esta se mostrava a plataforma mais próxima de mim, além do e-reader.

Outro motivo para essa experiência é o aumento observado no número de pessoas que fazem do smartphone sua principal plataforma para leitura. No ano passado, circulou bastante a matéria do The Wall Street Journal sobre o assunto. Leves, carregados para toda parte, constantemente conectados, os celulares podem ser o futuro da leitura digital (de acordo com Judith Curr, editora da Atria Books, divisão da Simon & Schuster, citada na matéria).

Ok. Talvez eu devesse tentar.

O livro que escolhi era simples, apenas texto. Foi A maçã envenenada, do Michel Laub (editora Companhia das Letras). A plataforma escolhida foi a Kobo, da qual já sou cliente. Baixei o e-book e comecei a ler.

Expectativa: cansaço. Uma coisa era testar a aparência geral de um e-book naquela tela pequena, outra coisa lê-lo de cabo a rabo. Achava que a vista ia cansar, acostumado que estava com a tela cinzenta do e-reader.

Realidade: “Rapaz, não é que isso aqui é bem confortável?”

Antecipo desde já que a experiência de leitura no e-reader ainda me agrada mais, no geral. Mas a leitura no celular foi muito mais satisfatória do que eu havia previsto, e tem características interessantes. Seguem alguns apontamentos, não muito sistemáticos, apenas impressões gerais acerca da experiência:

O tamanho da tela, que a princípio achei que atrapalharia, não foi um problema. O Moto G, smartphone que utilizo, tem uma tela de 5 polegadas, enquanto o Kobo Glo tem 6 polegadas, uma diferença  objetivamente pequena que parecia maior apenas ao olhar. A leitura pareceu um pouco mais “contida”, por assim dizer, mas isso não foi incômodo.

A leitura fluiu mais rapidamente. Não sei exatamente a que isso se deveu, mas, comparativamente, o último livro de Laub que li (Diário da queda) no Kobo demorou bem mais, e em condições semelhantes. Diário tem cerca de trinta páginas a mais que A maçã. Lembro que cheguei ao final numa espécie de susto: Caramba, já acabou? Sei de pessoas que leem e-books mais rápido do que impressos, o que não acontece comigo lendo no e-reader. Algo a que vou ficar atento na próxima vez que for ler algo no smartphone.

Os recursos de leitura — tamanho de fonte, margens etc. — abrem bem mais rápido no aplicativo do que no eReader, o que é excelente quando se precisa fazer algum ajuste.

E o ponto central, a maior das vantagens que pude identificar: o celular está sempre comigo, o e-reader, não. Ler no e-reader é mais confortável, mas envolve abrir a mochila, tirá-lo da capa, guardar a capa de volta na mochila, ligá-lo e então começar. Leio principalmente no trânsito; realizar esses movimentos simples num ônibus lotado não é das operações mais fáceis. O celular está no bolso, mais ao alcance. Muito da leitura foi realizada de pé, espremido entre outras pessoas. Nesse cenário, é bom ter o livro o mais próximo das mãos quanto possível.

Portanto, o experimento retornou um resultado positivo, e acho que em breve estarei variando entre smartphone e e-reader.

Falta tentar com um tablet, mas isso pode esperar. Uma ruptura (mesmo que pequena) de cada vez.

escrito por Josué de Oliveira

Josué de Oliveira

Josué de Oliveira tem 25 anos e trabalha com e-books há pouco mais de três. Integra a equipe de digitais da editora Intrínseca, lidando diretamente com a produção dos mesmos, da conversão à finalização. É formado em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense. Gosta de ler, escrever, ver filmes esquisitos e curte bandas que ninguém conhece. Tem alguns contos publicados em antologias e um romance policial que, segundo rumores, um dia ficará pronto.

4 comentários sobre “Lendo no celular (pela primeira vez)

  1. Hoje, ainda, uma amiga minha disse a mesma coisa que você escreve: ela tem um Kindle, mas agora prefere ler no app para celular, principalmente porque também lê em trânsito. As pessoas precisam ser mais bem informadas sobre essas praticidades! :-)

  2. Uma outra questão que me parece importante: um celular, lido no ônibus, chama muito menos atenção do que um e-reader ou tablet. Sei de pessoas que têm medo de fazer uma leitura digital com um device maior em trânsito por medo de serem assaltadas.

  3. Recentemente li pelo celular pela primeira vez e achei muito confortável! Usei o aplicativo do Kindle Unlimited e não tenho nenhuma ressalva, é muito bom e ocupa pouco espaço no celular. A única desvantagem de ler no celular é que gasta muita bateria em pouco tempo :( No e-reader precisa carregar uma vez no mês, se muito.

Deixe um comentário